A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) dá mais um passo em direção à acessibilidade ao oferecer a especialização em Audiodescrição, recurso que permite que a pessoa com deficiência visual possa compreender filmes, peças de teatro e programas de televisão e outros produtos audiovisuais, espetáculos e eventos de forma semelhante a quem enxerga. Por meio de descrições claras e objetivas ocorridas simultaneamente à obra, a pessoa com deficiência visual pode criar imagens mentais, o que leva a uma melhor compreensão da obra. Esse é o primeiro curso de especialização em Audiodescrição do Brasil.

Segundo uma das coordenadoras da especialização em Audiodescrição, Lívia Maria Villela de Mello Motta, “a audiodescrição amplia o entendimento da pessoa com deficiência visual” e os seus benefícios também são extensivos a pessoas com deficiência intelectual, idosos, pessoas com déficit de atenção e autistas. Ela explica que é necessária a elaboração de um roteiro e, em alguns eventos, de um pré-roteiro, o que não retira do audiodescritor a capacidade de improvisação. Segundo Lívia, os resultados são visíveis.

“Tenho percebido o deslumbramento das pessoas com deficiência visual ao perceberem as nuances, as sutilezas, tudo aquilo que perdiam pela falta da visão. As descrições dão sentido e embelezam o espetáculo. A gente sempre percebe a emoção chegando por meio das palavras”, comenta a coordenadora antes de ressaltar a importância que a especialização em Audiodescrição assume no cenário nacional.

“Existe uma carência muito grande de cursos, principalmente desse nível. Essa especialização conta com número grande de horas, para que os alunos tenham uma formação bem completa e possam ser formadores em suas regiões”, revela Lívia, destacando ainda que profissionais passam a compreender melhor as imagens depois que começam a trabalhar com a audiodescrição: “Quem disse que quem enxerga compreende tudo?”, argumenta.

Inscrições

A especialização em Audiodescrição será oferecida na modalidade semipresencial pelo Núcleo de Pesquisa em Inclusão, Movimento e Ensino a Distância (Ngime) da (UFJF) em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, órgão vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Estão sendo disponibilizadas 50 vagas divididas por regiões: 16 para o Sudeste, oito para o Sul, oito para o Nordeste, sete para o Centro-Oeste e seis para o Norte. As demais vagas vão ser divididas entre a UFJF e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Os interessados têm até as 18h do dia 10 de dezembro para fazer a inscrição, que ocorre em duas etapas. Na primeira, o candidato deve acessar o site www.gime.ufjf.br e clicar no banner do curso. Na sequência, preencher a ficha de inscrição, o currículo online e elaborar carta de intenção. A segunda etapa consiste no envio dos documentos previstos no edital (também disponível no site) para o Ngime por Sedex. Serão dois os critérios utilizados para a seleção dos alunos: análise da documentação (100 pontos) e da carta de intenção (50 pontos).

O curso é destinado a professores e profissionais de diversas áreas do conhecimento, mas preferencialmente a pessoas com graduação nos seguintes cursos: Tradução, Letras, Rádio e TV, Comunicação, Jornalismo, Cinema, Locução, Dublagem e Artes Cênicas, visando à formação de profissionais em nível de especialização para atuarem como audiodescritores roteiristas, narradores e consultores e/ou formadores de audiodescritores.

Endereço para envio da documentação

Universidade Federal de Juiz de Fora

Faculdade de Educação Física e Desportos

Núcleo de Pesquisa em Inclusão, Movimento e Ensino a Distância

Curso: Especialização em Audiodescrição

Rua José Lourenço Kelmer, s/n

Campus Universitário

Bairro São Pedro

CEP: 36036-900 – Juiz de Fora – MG

Thiago Stephan